PROJETOS | PROJECTS

O que influencia a implementação da cooperação internacional em Ciência, Tecnologia e Inovação (CTI)? Por que iniciativas em algumas áreas evoluem para medidas concretas e outras não? Quais fatores explicam a variação na implementação em iniciativas envolvendo países distintos? Em que medida a implementação afeta a efetividades da cooperação internacional em CTI – ou a produção de ganhos similares nos sistemas de inovação de todas as partes envolvidas? Para começar a responder tais questões e testar hipóteses iniciais sobre os fatores que influenciam a implementação da cooperação internacional em CTI esta pesquisa foca os acordos bilaterais de cooperação envolvendo o Brasil, país que tem sido palco central da competição da diplomacia científica entre os países desenvolvidos. Como a cooperação internacional em CTI é fragmentada em milhares de iniciativas entre diferentes atores dos sistemas de inovação (empresas, universidades e governos), e como não há uma base abrangente sobre a cooperação privada, acadêmica e realizada em nível de agência, a pesquisa se baseia inicialmente na base de acordos diplomáticos mantida pelo Ministério das Relações Exteriores. Assim como a diplomacia científica, os acordos bilaterais em CTI são usados como instrumento na busca pela competitividade econômica e outros fins, como a segurança. É importante notar, ainda, que o número de acordos assinados vem aumentando nos últimos anos, demonstrando a relevância do tema. A parte empírica da pesquisa envolve uma dimensão quantitativa, por meio da construção de uma base de dados que permite traçar a evolução histórica de acordos por país e identificar quais áreas são objeto de instrumentos específicos de implementação e quais não o são; e uma dimensão qualitativa e comparativa, combinando pares de países a partir de sua posição estrutural nas relações internacionais e da trajetória da cooperação bilateral com o Brasil de forma a manter algumas variáveis constantes e explorar variações na implementação.

Agência financiadora: CNPq (Edital Universal 2016; PIBIC 2017-2018; 2018-2019; 2019-2020)

What drives the implementation of international cooperation in Science, Technology and Innovation (STI)? Why do initiatives in some areas evolve to concrete measures and others do not? What factors explain variations in implementation across initiatives involving different countries? To which extent does implementation affect the effectiveness of international STI cooperation – or the production of similar gains across innovation systems of all involved parties? In order to start answering those questions and test initial hypotheses on the factors that influence the implementation of international STI cooperation this research focuses on STI bilateral cooperation involving Brazil, which has been a central stage for competition between developed countries’ science diplomacy initiatives. As international STI cooperation is fragmented in thousands of initiatives involving different innovation systems’ actors (enterprises, universities and governments), and as there is no encompassing database on private, academic and agency-level STI cooperation, the research initially draws on the database of diplomatic agreements maintained by the Brazilian Ministry of Foreign Affairs. As in the case of science diplomacy, STI bilateral agreements are used as instruments in the search for economic competitiveness and other purposes, such as security. It is also important to note that the number of signed agreements has been rising over the last years, demonstrating the relevance of the research topic. The empirical part of the research involves a quantitative dimension, building a database that allows tracing the historical evolution of agreements by country and identify which areas are object of specific implementation instruments and which are not; and a qualitative and comparative dimension, paring countries according to their structural position in international relations and to the trajectory of bilateral cooperation with Brazil in order to hold some variables constant and explore variations in implementation.

Financing agency: National Council for Scientific and Technological Development, CNPq (Edital Universal 2016; PIBIC 2017-2018; 2018-2019; 2019-2020)

O objetivo geral desse projeto de extensão é apoiar a inserção internacional ativa e consciente dos atores do sistema catarinense de inovação. Os objetivos específicos são: selecionar os atores que serão contemplados pelo projeto piloto (possivelmente um laboratório universitário, uma agência governamental e uma startup); conhecer e disseminar a trajetória da inserção internacional do ator; mapear e ranquear possibilidades de interação internacional junto a outros países, regiões e organizações internacionais a partir dos setores em que o ator é referência e dos setores em que deseja se tornar referência; treinar e assessorar os atores, individualmente ou em conjunto, na busca de parcerias; monitorar e avaliar o projeto piloto. A metodologia inclui: levantamento e sistematização de acordos e de seus desdobramentos; pesquisa documental; entrevistas e grupos focais; identificação de entidades homólogas de referência; criação de critérios para ranqueamento levando em consideração aspectos financeiros, linguísticos e de redes já existentes; elaboração de projetos a partir da identificação de parceiros; apoio na comunicação; treinamento em negociação; oficina para intercâmbio de conhecimentos. Como produtos, a serem gerados pelo projeto, estão: 3 bancos de acordos internacionais; 3 manuais de internacionalização; 3 plataformas para a identificação de parceiros, conhecimentos e oportunidades; pelo menos 1 curso de extensão em negociação internacional; pelo menos 1 oficina para intercâmbio de conhecimentos. Como impacto, espera- se aprimorar as capacidades dos atores envolvidos no projeto piloto para uma inserção internacional consciente e ativa, aumentando os benefícios da mesma para o entorno regional e nacional. Por fim, pretende-se contribuir para a inserção de egressos da UFSC no mercado de trabalho. Espera-se que isso ocorra tanto pelo maior envolvimento dos alunos na solução de problemas reais quanto pelo fato de o projeto piloto almejar lançar as bases para a formação de um instituto de assessoria aos atores do sistema de inovação catarinense, brasileiro e latino-americano em seu processo de internacionalização.

Apoio financeiro: PROBOLSAS 2019/UFSC

This project aims at promoting the active and rational internationalization of the actors of Santa Catarina’s innovation system. Its specific aims are: select the actors that will be part of the pilot project (possibly one university laboratory, one governmental agency, and one startup); map and disseminate the trajectory of internationalization of each actor; map and rank possibilities of interaction with other countries, regions and international organizations relying on the sectors in which the actor is reference and the sectors in which it aims at being a reference; train and advise the actors, individually or in common initiatives, for searching partnerships; monitor and evaluate the pilot project. Methodology includes: mapping and systematization of agreements and their outcomes; documental research; interviews and focal groups; identification of equivalent reference institutions; establishment of ranking criteria considering financial and linguistic aspects as well as existing networks; elaboration of project after the identification of partner; support in communication; training in negotiation; workshop for knowledge exchange. The expected outputs are: 3 databases of international agreements; 3 manuals of internationalization; 3 platforms for identification of partners, knowledge and opportunities; at least 1 service course in international negotiation; at least 1 workshop for knowledge exchange. The expected impacts are to improve the capacities of the actors involved in the pilot project for an rational and active internationalization, enhancing its benefits for their region (Santa Catarina) and country (Brazil). We also aim that the project will help UFSC’s alumni to get into the labor market. It is expected that this occurs by involving students in real problem solving and by testing methodologies to launch the creation of an institute that advises the actors of Santa Catarina’s, Brazil’s and other Latin American countries’ innovation systems in their internationalization process.

Financial support: PROBOLSAS 2019/UFSC